Meliponicultura

Meliponicultura é a criação racional de abelhas sem ferrão para a produção de mel e ou atividades polonizadoras.

As abelhas meliponíneas, originárias das zonas tropicais e subtropicais do planeta, pertencem à família Apidae.

Polinização

A maioria das espécies não produz mel, mas apresenta enorme importância na polinização da flora dos ecossistemas.

Embora as abelhas meliponíneas não tenham ferrão, defendem agressivamente as colmeias, até mesmo com mordidas.

Arapuá

A abelha arapuá (Trigona spinipes), embora sem ferrão, costuma ser combatida porque causa prejuízo a flores e brotos das plantações. Seu mel não apresenta qualidade para consumo humano.

Mel

As abelhas sem ferrão dos gêneros Trigona, Melipona e Austrophlebia são melíferas. Conhecidas também como abelhas-indígenas, sua criação expande-se principalmente na Amazônia.

Destacam-se uruçu-verdadeira, uruçu-amarela, jataí, mandaçaia e tiúba-amarela.

Jataí

A abelha-jataí (Tetragonisca angustula), pequenina e mansa, é a mais conhecida em todo o país. O inseto faz sua colmeia em buracos, em troncos de árvores ou em frestas de construção.

O mel da abelha jataí, mais líquido que o mel comum, apresenta excelentes propriedades medicinais. O rendimento da criação é bem menor, mas o mel de jataí vale dez vezes mais.

Serviço agrícola

As abelhas meliponíneas prestam-se a um inusitado serviço agrícola, já utilizado na Europa, nos Estados Unidos e em outros países.

Um caminhão-baú cheio de colméias estaciona diante da lavoura, abre as portas e libera as abelhas para o trabalho de polinização das culturas, provocando aumento da produtividade.

Saiba mais

Meliponicultura no Brasil/Kalhil Pereira e Joaquim Pífano
http://goo.gl/gCyTS

Informações técnicas/Embrapa
http://goo.gl/fWycm 

Meliponicultura/TV Cultura/Pará (vídeo)
http://goo.gl/z9nDK